Banner
Contador de Visitas
487378


Mensagens das Semanas Anteriores

Pensamentos da semana Março de 2013

1. Palavras fortes  do Tríduo Pascal 

a. " Este dia será para vós uma festa memorável em honra do Senhor, que haveis de celebrar por todas as gerações como instituição perpétua" (Ex 12,14).  

b. " Tomai e comei... Este é o cálice da aliança... Fazei isto em minha memória"(cf. 1 Cor 11,23-26). Aprendam a lavar os pés uns dos outros....  

c. " Que mal fez ele?... Crucifica-o!....Tudo está consumado. Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito....(cf. Jo 18,1-19,42). 

d. " Cristo Ontem e Hoje - Princípio e Fim - A Ele o Tempo e a Eternidade...".(Sábado Santo- Bênção do Fogo). Cristo é a nossa LUZ.    


"Enviai o espírito de adoção para criar um novo povo, nascido para vós nas águas do batismo. (cf. Oração Bênção da Água no Sábado Santo) Pelo Batismo fazemos parte da grande mesa do Senhor. 

"Ele andou por toda parte, fazendo o bem e curando todos os que estavam dominados pelo demônio... Nós somos testemunhos de tudo o que Jesus fez.. (At 10,34.37-43). 

Ressuscitar é fazer um esforço para alcançar as coisas do alto, onde Cristo está sentado  a direita de Deus... (cf. Col 3,1-4). 

"Tiraram o Senhor do túmulo e não sabemos onde o colocaram. Então entrou também o outro discípulo, que tinha chegado primeiro ao túmulo. Ele viu e acreditou.(Cf. Jo 20,1-9). 

SEMANA SANTA: Momento especial de nossa caminhada litúrgica onde revivemos a Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus.

DOMINGO DE RAMOS: Celebramos a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém. O povo estende seus mantos e com ramos nas mãos aclamam Jesus.

QUINTA-FEIRA SANTA: Lembramos o dia em que Jesus institui o Sacerdócio e a Eucaristia que celebramos todos os dias. Nesse dia, Jesus lava os pés dos discípulos, como expressão de serviço de sua autoridade. Recordemos o que nosso papa FRANCISCO nos disse: "A verdadeira autoridade é o serviço". Jesus nos convida em nossa vida cristã a lavarmos os pés uns dos outros. Lembremo-nos que o gesto de lavar os pés era a maior expressão de acolhida no tempo de Jesus quando alguém era recebido em casa. Dirá Jesus aos discípulos e a nós: "Amai-vos uns aos outros como eu vos amei".

SEXTA-FEIRA SANTA: Lembramos a morte de Jesus, como expressão máxima de amor. Um dia especial de silêncio, oração e meditação. Dia especial de reconciliação.

SÁBADO SANTO OU VIGÍLIA PASCAL:  A noite da luz. Tempo de expectativa, tempo de alegrar-se. Neste dia a Igreja canta e medita as maravilhas que o Senhor fez aos longos dos séculos junto do seu povo. Nesse acolhemos as pessoas na comunidade pelo santo Batismo e renovamos a nossa fé em Cristo Vivo. A missa é o grande banquete do Ressuscitado.

DOMINGO DA RESSURREIÇÃO: Domingo da alegria, da exaltação da vida sobre a morte. A vida vence a morte. Nossa verdadeira esperança é realizada, um novo céu e uma nova terra são criados. Aparece o homem novo. O mundo dos lutos, das lágrimas, dos túmulos ficam para traz. Cristo ressuscitado traz a vida. 

FELIZ PÁSCOA MEU IRMÃO E MINHA IRMÃ

O profeta anima o povo de Israel na sua retomada após o exílio da Babilônia: "Eis que eu farei coisas novas, abrirei uma estrada no deserto e farei correr rios na terra seca para dar de beber a meu povo, a meu escolhido"(cf. Is 43,19-20).

O encontro de Paulo com Cristo o leva a tomar uma firme decisão: "Considero tudo um lixo, para estar unido a Cristo"(cf. Fl 3,8b).

Na vida precisamos aprender a deixar o passado para trás para alcançar o novo: "Esquecendo-me o que fica traz, eu me lanço para o que está na frente. Corro direto para a meta, rumo ao prêmio, que do alto, Deus me chama a receber em Cristo Jesus" (cf. Fl 3,13b.14).

Ressoam forte neste domingo as palavras dos evangelistas: "Quero a misericórdia  e não sacrifício" (cf. Mt 12,7) e "Não vim chamar os justos mas os pecadores" (cf. Lc 5,32).  

Jesus, neste 5º domingo da Quaresma, nos alerta que jogar pedras sobre os que erram é muito fácil, o difícil é: "Eu também não te condeno. Podes ir, e de agora em diante não peques mais"(cf. Jo 8,11b).

Nos alerta o Papa Francisco: "Temos que andar sempre na presença do Senhor, na luz do Senhor, sempre tentando viver de forma irrepreensível" (Papa Francisco em sua homilia aos Cardeais, 14/03/2013, publicado no site da G1, da Globo).

As pessoas que encontram Cristo na sua vida tornam-se novas criaturas. O mundo velho desaparece. Tudo se torna novo (Cf. 2 Cor 5,17).

A parábola do filho pródigo tem dois momentos fundamentais: a partida e a volta. A partida é a liberdade que recebemos na vida, enquanto que a volta é a tomada de consciência  da fragilidade do ser humano, de uma liberdade mal compreendida (Cf. Lc 15,1-3.11-32).

" Pai, pequei contra Deus e contra ti, já não mereço ser chamado seu filho"(Lc 15,18b).

Viver é um processo de escolhas, seremos felizes se fizermos boas opções, caso contrário, iremos para caminhos perigosos. 

A conversão é o ato de abandonar os comportamentos que nos levam a perdição e buscarmos os caminhos do Senhor. Feliz o homem que anda nos caminhos do Senhor.

Perdoar é acolher incondicionalmente. Jesus veio a este mundo não para condenar, e sim para salvá-lo. (Cf. Jo 12,47)

Atenciosamente

Pe. Mário Pizetta/ssp

Pároco

 

Pensamentos da Semana - Fevereiro 2013

"Não estou abandonando a cruz, mas permaneço de maneira nova perto do Senhor crucificado" (Bento XVI em 27/02/2013). 

A conversão é um processo de encontro com Deus, mudança pessoal e uma abertura para o outro. (Pe. Mário Pizetta). "Se não vos converterdes, perecereis  todos do mesmo modo"(Lc 13,5). 

Deus está sempre ao lado da criatura humana, principalmente, dos mais pequenos: 

"Eu vi a aflição do meu povo que está  no Egito e ouvi o seu clamor por causa da dureza      dos seus opressores e resolvi libertá-los" (cf. Ex 3,7.8).

"Nesses quase oito anos, sempre senti que na barca está o Senhor, e sempre soube que a barca da Igreja não é minha, não é nossa, mas do Senhor" (Bento XVI em 27/02/2013).

"Serei simplesmente um peregrino que está começando  a fase final  de seu caminho nesta terra" (Bento XVI, em 28/02/2013).

Quando o homem deixa de beber da rocha que é Cristo, desvia-se do caminho da vida e desagrada ao Senhor. Necessário estar sempre atentos (cf. 1Cor 10,1-6.10.12).

A festa da Transfiguração  é um sinal antecipado de tudo o que os discípulos irão contemplar a partir da morte e ressurreição de Jesus.

A alegria dos discípulos no monte é tão grande que chegam a sugerir  a Jesus a construção três tendas e ali permanecer para escutar o Senhor e viver esta maravilhosa experiência (cf. Lc 9, 32.35).

Os discípulos  não conseguem compreender o episódio da Transfiguração, somente farão isto no momento da descida do Espírito. A partir deste momento tornar-se-ão testemunhas da cruz e da ressurreição. 

Deus faz com Abrão uma Aliança. Toda a Aliança feita pelo Senhor acontece uma saída e uma entrada. A promessa constitui uma esperança: a terra prometida. Romper esta aliança significaria sentir o abandono de Deus. A Igreja hoje, através da comunidade, cada vez que escuta a palavra e celebra a Eucaristia torna-se testemunha  da Nova Aliança.

Na carta aos Filipenses deste segundo domingo da quaresma Paulo exorta para a fidelidade a Cristo e se oferece como modelo de fidelidade "sede meus imitadores"(cf. Fl 3,17-4,1).

Na escuta da Palavra, o discípulo e missionário de Jesus encontra o caminho da realização da Páscoa "Este é o meu Filho, o escolhido. Escutai o que ele diz" (cf. Lc 9, 35b). 

O papa Bento XVI assim escreve sobre as tentações: "Refletir sobre as tentações sofridas por Jesus no deserto é um convite para cada um de nós responde a uma pergunta fundamental: o que é realmente importante na minha vida". Vejamos as tentações: Na primeira o diabo propõe a Jesus transformar uma pedra em pão para acabar com a fome. Na segunda tentação, o diabo propõe a Jesus o caminho do poder. Na terceira tentação, o diabo propõe a Jesus atirar-se do ponto mais alto do Templo de Jerusalém e fazer-se salvar por Deus mediante seus anjos. (cf. homilia do Papa Bento XVI no 1º domingo da quaresma).

Assim falou Moises ao Povo durante a apresentação da lei do Senhor: "Vê que eu hoje te proponho a vida e a felicidade, a morte e a desgraça..Escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e teus descendentes"(cf. Dt 30,15.19).

Quaresma é:

a. Tempo de rasgar o coração e voltar-se para o Senhor (cf. Joel 2,13).

b. Tempo de reconciliar-se com Deus (cf.2 Cor 5,20b).

c. Tempo de oração, jejum e prática da caridade ( cf. Mt 6,16.18).

O apóstolo Paulo afirma aos Romanos: "A palavra está perto de ti, em tua boa e em teu coração, é uma palavra de fé, se creres nela e confessares não serás confundido ( cf. Rm 10,8.11b).

Converter-se para Bento XVI é seguir Jesus de modo que o seu Evangelho seja guia concreto da vida; deixar que Deus nos transforme, parar de pensar que somos os únicos construtores da nossa existência, reconhecer que somos criaturas, que dependemos de Deus, do seu amor.(cf.reflexão de Bento XVI na missa do 1º domingo da Quaresma).

Atenciosamente

Pe. Mário Pizetta

Pároco

 

 

Pensamentos da Semana - Janeiro 2013

Neste 5º domingo do tempo comum, ano c, as leituras dominicais destacam momentos confrontantes na vida do profeta Isaias e de Pedro:

A) Isaias: Diante da grandeza do que vê afirma: "Ai de mim, estou perdido! Sou apenas um homem de lábios impuros, mas eu vi com meus olhos o rei,o Senhor dos exércitos".(cf. Is 6,5).  

B) Pedro: "Afasta-me de mim, porque sou um homem pecador"(Lc 6,8). 

O convite  de Jesus a Pedro para avançar para águas mais profundas é um pedido que Jesus faz a cada batizado para aprofundar-se no caminho da fé. Jesus não é percebido na superficialidade más na profundidade: "Avança para águas mais profundas" (cf. Lc 6,4).

Aqueles que avançam para águas mais profundas respondem como Isaias: "Aqui estou! envia-me"(cf. Is 5,8b).

O apóstolo Paulo, falando da ressurreição confessa para os coríntios: " por último apareceu também a mim, como um abortivo, Na verdade, eu sou o menor dos apóstolos, nem mereço o nome de apóstolo porque persegui a Igreja de Deus". (1Cor 15,8.9).

Para tornar-se discípulo e missionário de Jesus hoje é necessário avançar para águas mais profundas da fé. Conquistada pela oração, leitura e meditação da Palavra,  participação da Eucaristia e engajamento nos serviços pastorais. (Pe. Mário).

O encontro com Jesus Cristo se dá através do serviço e da gratuidade, expressões de quem vive o caminho das aguas mais profundas. (Pe. Mário)

 A Palavra de Deus vem para nos INTERPELAR, PROVOCAR, CONSOLAR, CRIAR COMUNHÃO E SALVAR.

Os profetas são homens  ou  mulheres escolhidos(as) e consagrados(as) por Deus para denunciar os obstáculos que impedem a realização do Reino de Deus entre nós. "Antes de formar-te no ventre materno, eu te conheci, antes de saíres do seio de tua mãe, eu te consagrei e te fiz profeta das nações" (cf. Jr 1,5). 

O AMOR é o dom mais elevado que  podemos aspirar, sem esse somos como "címbalo que retine" (Cf. 1 Cor 12,31-33,13).  

As palavras e as atitudes de Jesus atraiam multidões. Assim também acontece com todo aquele que  com sua vida testemunha Jesus (cf. Lc 4,21-30).

Os profetas não são pessoas muito agradáveis nos dias de hoje, como não foram no passado, porque eles com sua ação procuram abrir os olhos dos que estão cegos e apontam os caminhos contrários aos planos do Pai. Vejamos o que fizeram com Jesus, que era mais do que um profeta: "Quando ouviram as palavras de Jesus, todos na sinagoga ficaram furiosos. Levantaram-se e o expulsaram da cidade" (cf. Lc. 28-29). 

Vejamos o que Jesus nos diz ainda neste domingo: "Em verdade nenhum profeta é bem recebido em sua pátria" (Lc 4,24). Quando rejeitamos os profetas perdemos a oportunidade de sermos solidários e de construir um mundo melhor, vivermos o amor dom maior de Deus.

Na semana que passou realizamos o tríduo sobre São Paulo, voltamos a ler um trecho da carta de Dom Odilo: Senhor, aumentai a nossa fé: "Vivemos um tempo  de crise de fé, que se caracteriza pela superficialidade na adesão a Deus e às verdades da fé proclamadas pela Igreja; o subjetivismo leva facilmente às pessoas a escolherem o que mais  gostam e traz mais vantagem, em vez daquilo que é verdade". O tríduo era um convite e incentivo a voltarmos às raízes de nossa fé.

Para o apóstolo Paulo: A fé é viver a experiência do sentir-se amado por Deus, é sentir Cristo vivendo em nós (cf. Gl 2,20). 

Segundo o livro de Neemias havia um dia consagrado para o povo ouvir a palavra: "Este é o dia consagrado ao Senhor, vosso Deus. Não fiqueis tristes nem choreis" (cf. Ne 8,9). A Palavra é fonte  de sabedoria e vida.

O apóstolo Paulo lembra que o corpo é um só, embora  tenha muitos membros. Assim também Deus enriquece cada criatura com um dom para o enriquecimento da comunidade e busca do bem comum.(cf. 1Cor 12,12-30).

No evangelho deste domingo encontramos Jesus na Sinagoga apresentando a sua verdadeira missão:

"O espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me consagrou com a unção para anunciar a Boa Nova aos pobres, proclamar a libertação aos cativos e aos cegos a recuperação da vista; para libertar os oprimidos e proclamar o ano da graça do Senhor" (cf. Lc 4,14-21).

O amor a Palavra é  fonte de alimento para nossa fé, nossa esperança e a caridade que nos leva a sermos sempre solidários.

TRÍDUO SOBRE SÃO PAULO: Próxima terça, quarta, quinta faremos um tríduo para celebrar São Paulo. Na sexta-feira, feriado e festa de São Paulo teremos missa, às 8h e 18 horas.

ENCONTRO PAROQUIAL: No próximo dia 2 de fevereiro, sábado, entre às 08:00 com a missa até as -11:30 horas, no salão São Paulo, estaremos realizando um encontro com todas as lideranças da paróquia. Será um momento de partilha sobre nossas metas de 2013. Agradecemos a participação.

Estamos fazendo um esforço para entregar a comunidade  nossa agenda até o início de fevereiro 2013.

Estão abertas as inscrições da catequese e estas podem ser feitas na secretaria.

Nos painéis na saída da Igreja, bem como no quadro de anúncios na entrada da secretaria, constam recados importantes sobre a jornada da Mundial da Juventude. Lembramos que a paróquia através dos jovens e da secretaria estão vendendo suas camisetas e rifas. Informamos a comunidade que já temos 45 lugares de hospedagem oferecidos pelas famílias, ainda nos faltam 55 lugares. Obrigado pela participação.

Meus Irmãos e minhas Irmãs que lêem nosso site, voltamos com os pensamentos da semana, que se referem ao Batismo de Jesus

O profeta Isaias pré-anuncia Jesus: "Eis o meu servo, o meu eleito, nele se compraz minha alma, Sobre ele coloquei o meu Espírito"(Is 42,1).

Nesta semana voltamos o nosso olhar e pensamento sobre o Batismo de Jesus. Trata-se da apresentação de Jesus diante de João Batista. Do alto vem um anúncio de quem é Jesus: "Tu és meu Filho, o Amado"(Lc 3,22).

João Batista assim afirmava ao povo: "Eu vos batizo com água, mas virá aquele que é mais forte do que eu. Eu não sou digno de desamarrar a correia de suas sandálias. Ele vos batizará no Espírito Santo e no fogo" (Lc 3,16-22).

O Batismo é a porta de entrada na comunidade cristã, por isso é importante o batismo da criança, pois desde cedo ela vai aprendendo o significado do seguimento de Jesus. Mais do que nunca precisamos hoje compreender a grandeza deste sacramento.

A pessoa que recebe o sacramento do Batismo é convidada a acolher a todos sem distinção entre as pessoas (cf. At 10,34).

O profeta Isaias anuncia a missão de Jesus e como conseqüência, o compromisso de todo batizado: "Luz das nações, abrir os olhos dos cegos, tirar os cativos da prisão, livrar do cárcere os que vivem nas trevas"(cf. Is 42,7).

 

Atenciosamente

Pe. Mário Pizetta

Pároco

 

 

 

Pensamentos da Semana - Dezembro 2012

Neste II domingo do Advento nos é apresentada a figura de João Batista, aquele que quer preparar os caminhos da chegada de Jesus: "esta é a voz daquele que grita  no deserto: preparai os caminhos do Senhor, endireitai a suas veredas"(cf. Lc 3,4). Assim como preparamos nossa casa para receber a quem nos visita, assim também precisamos preparar nosso coração para quem vem trazer a salvação. O caminho de preparação é um processo de purificação.

Anunciar o Evangelho, apresentar a Boa Noticia é a grande missão da comunidade dos batizados.

Afirma o profeta Baruc: "Despe, ó Jerusalém, a veste  de luto e de aflição e reveste os adornos da glória vinda de Deus. Cobre-te com o manto da justiça que vem de Deus" (Br 5,1.2). Converter-se é mudar o coração.

Uma denuncia  sobre uma injustiça social sem o anúncio da Palavra tornar-se-ia uma mensagem estéril.

"Optar pelo Reino significa despojar-se  de si , renuncia de toda forma de orgulho,disponibilidade às inspirações  do Espírito, obediência. O homem que quiser seguir a Jesus é chamado a despojar-se de si  e a perder-se  de algum modo"(cf. Missal Dominical, Paulus, 1995, p.59).

O caminho de conversão é um processo que gradativamente vai modificando o foco de nossas buscas: das coisas que passam para aquelas que não passam. (Pe. Mário)  

Atenciosamente

Pe. Mário Pizetta

Pároco

 

Pensamentos da Semana - Novembro 2012

Com a festa de Cristo Rei, no dia 25 de novembro, encerramos o Tempo Comum. Ingressamos agora no Tempo do Advento: um período de recolhimento interior.

Afirma o profeta Jeremias: "Assim diz o Senhor: farei cumprir a promessa dos bens futuros para a casa de Israel e de Judá. Da descendência de Davi farei nascer a semente da justiça"( cf. Jer 33,14-15). Deus cumprirá todas as suas promessas.

O apóstolo Paulo implora ao Senhor para que a comunidade de Tessalonica cresça no amor, dessa forma conquistando uma santidade cada vez mais agradável aos olhos de Deus (cf. 1Ts 3,12-13). A busca da santidade é um convite feito a todos. Quanto mais alguém vive a caridade mais atinge a santidade, e compreende melhor a vontade de Deus.

Precisamos estar sempre atentos a tudo o que acontece: "haverá sinais  no sol, na lua  e nas estrelas. Quando todas estas coisas começarem acontecer erguei vossa cabeça, porque a vossa libertação está próxima" (cf. Lc 21,25.28). Os tempos difíceis são tempos muito ricos para a pessoa. 

O caminho de preparação para este grande dia é a vigilância e a oração."ficai atentos e orai a todo momento"(cf. Lc 21,36).

O Advento é um tempo breve  que  chama atenção de todos nós para este momento tão cheio de graça, da visita do Filho de Deus a humanidade. A chegada de Jesus-Menino é um ato de Amor de Deus. Deus não se cansa de realizar maravilhas entre nós.

Neste domingo encerramos o Ano Litúrgico com a festa de CRISTO REI. A realeza de Cristo é universal e tem um poder real sobre tudo e sobre todos (cf. Missal Dominical, Paulus,1995, p.1081).

Afirma o profeta Daniel: " Seu poder  é um poder eterno que não lhe será tirado, e seu reino, um reino que não se dissolverá" (cf. Dn 7,14b).

Assim diz Jesus a Pilatos: "O meu reino não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, os meus guardas lutariam  para que eu não fosse entregue aos judeus. Mas o meu reino não é daqui" cf. Jo 18,37). Aqueles que testemunham Jesus neste mundo são seus soldados.

Jesus Cristo torna-se rei pelo testemunho, amor, solidariedade, fraternidade, a verdade que anuncia a humanidade. Por isso que precisamos todos dobrar nossos joelhos diante dele. No reinado de Jesus não existe a violência. (Pe. Mário).

"Eu sou o Alfa e o Ômega", diz o Senhor Deus, "aquele que é, que era e que vem, o Todo Poderoso” (cf. Ap 1,8).

Neste domingo celebramos o dia do leigo e da leiga, eles são presença e fermento de transformação da sociedade. (cf. Liturgia Diária, ano XXI, nº 251, p.76).

A liturgia deste 33º domingo do tempo comum ano b nos alerta para a necessidade do homem estar atento para as suas últimas realidades (Pe. |Mário).

"Os sábios e todos os que ensinaram os caminhos das virtudes brilharão como estrelas no firmamento  para toda a humanidade"(Dn 12,3). Saibamos viver sempre com sabedoria.

Quando vivemos o perdão não temos necessidade da oferenda pelo pecado.(cf. Hb 10,18).

O evangelista Marcos neste domingo apresenta a compreensão da vinda do Filho do homem a partir da parábola da figueira.(cf. Mc 13,29).Sinal de sabedoria é saber ler os sinais que estão ao nosso redor e na história. Na compreensão deles a luz para o novo(Pe. Mário).

Jesus nos diz: "O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não passarão. Quanto ao dia e a hora ninguém sabe, somente o Pai"(cf. Mc 13,28ss).

Dirá o salmista: Guarda-me ó Deus, por que em vós me refugio, minha alma se rejubila e encontra o caminho para a vida (cf.Sl 15).

Neste último domingo celebramos a festa de Todos os santos, que recordamos   no nosso ato de fé: creio na comunhão dos santos.

Santidade é: Graça  de Deus e conquista do ser humano, que todos os dias procura de forma progressiva  viver intensamente a misericórdia, a pobreza, o desprendimento, a justiça, a  paz e a pureza,  no espírito das Bem-aventuranças. (Pe. Mário).

"Ser santo não significa   dizer  que  jamais  cometeram erros ou que jamais pecaram. Os santos são pecadores como o somos todos nós" (cf. Torres, Fernando, CMF, Meditações sobre leituras dominicais, ed. Ave Maria, p.234).

"Santos são  todos aqueles que lavaram e alvejaram suas vestes no sangue do Cordeiro!( Ap 7,14b).

Vejamos quanto grande é o amor de Deus por cada um de nós: "sermos chamados filhos e de fato o somos"(cf. 1Jo 3,1-3).

Na busca da vivência das Bem-aventuranças podemos ter grandes sofrimentos  mas "fiquem alegres e contentes por que será grande para vocês a recompensa no céu"  (cf. Mt. 5,12).

O cristão todos os dias é confrontado por propostas de felicidade e de vida plena, que quase sempre, conduzem  por caminhos  de escravidão, dependência e desilusão.(cf. Dehonianos. org.)

Cristo, sumos sacerdote, não entrou num santuário feito por mãos humanas, entrou apenas uma vez e ali ofereceu-se a si mesmo como sacrifício para destruir o pecado. (cf. Hb 9,24-28).

"Acautelai-vos  dos escribas, que gostam de exibir  longas vestes, de receber cumprimentos nas praças, de ocupar os primeiros assentos  nas sinagogas     e os primeiros lugares nos banquetes"(cf. Mc 12,38-44). 

Neste domingo somos convidados a nos perguntar: Qual é o culto que agrada a Deus? Veremos que agrada a Deus quando somos capazes de lhe oferecer tudo, quando aceitamos  a despojar-nos  das nossas certezas, das nossas seguranças, das nossas manifestações de orgulho  e de vaidade, dos nossos projetos  pessoais e preconceitos e passarmos a confiar plenamente no Senhor.

O comportamento das duas mulheres relatadas na liturgia deste domingo é a imagem viva das pessoas que confiam plenamente no Senhor. São felizes, mesmo diante do pouco ou do nada. Quem muito tem pode oferecer pouco, mas quem tem pouco oferece o que tem.

Buscamos a religião não para trazer benefícios ou privilégios mas para ajudar na construção de uma vida nova. 

Atenciosamente

Pe. Mário Pizetta

Pároco

 
<< Início < Anterior 11 12 13 14 15 16 17 Próximo > Fim >>

Página 15 de 17