Banner
Contador de Visitas
366113


Mensagens das Semanas Anteriores

Mensagens da Semana - Março 2014

JESUS É A LUZ DO MUNDO
 

O quarto domingo da Quaresma apresenta Jesus como Luz do mundo e faz um convite: Vivermos na luz de sua palavra, abandonando o mundo escuro que se forma com o distanciamento de Deus em nosso viver. A primeira leitura nos mostra a unção de Davi por Samuel. Este comportamento também nos lembra o dia do nosso Batismo quando também fomos ungidos.

O evangelho mostra o encontro de Jesus com o cego de nascença. Ao curar o cego Jesus aproveita para mostrar aos discípulos a necessidade que temos de nos libertar das nossas cegueiras, permitir maior compreensão de Jesus. Jesus quer levar a Luz para as realidades envolvidas nas trevas que às vezes nos envolvem e nos impedem de ver as maravilhas de Deus. 
 
Jesus á Luz do mundo e não quer nos ver vivendo na escuridão, alienados nas estruturas do mundo, caminhando como cegos, sem rumo, sem perspectivas, mas com esperança. 
 
O apóstolo Paulo nos convida a vivermos como filhos da luz (cf. Ef 5,8) Paulo afirma que o andar na luz  produz frutos de: bondade, justiça e verdade. O testemunho da luz é a resposta consciente, livre e cheia de amor àquele que iluminou nossos olhos com a luz sem ocaso. A busca de Cristo elimina gradativamente as trevas que encobrem o homem.
 
Atenciosamente
 
Pe. Mario Pizetta


"SENHOR, DÁ-ME DESSA ÁGUA" (Jo 5,15)


A liturgia do 3º domingo da quaresma nos trás como simbologia um dos elementos da natureza, a água. 
 
A primeira leitura, (cf. Ex 17,1-7), mostra Moisés no deserto com o povo que tinha sido libertado do Egito. 
 
A  sensação  de  liberdade  se mistura  com  sofrimentos. O  povo  começa  a ficar  impaciente  pois  lhe faltam as  necessidades  básicas.  Caminhada  com  dificuldades,  o  povo  reclama  e  exige  de  Moisés uma  atitude. Moisés, com os anciãos, dirige-se a Deus, e este lhe pede que utilize a vara que serviu de para separar as águas do Rio Nilo e bate na rocha. A água que jorrou da rocha abateu a sede do povo. Vemos que Deus não abandona o povo, caminha com ele.  A segunda leitura vem de Paulo da carta aos Romanos. No texto, o apóstolo afirma que quando somos conduzidos pela fé, estamos sempre em paz (cf.Rm 5,1-2-8).
 
No evangelho, vemos o texto da Samaritana. Jesus vai ao seu encontro e lhe bebe água para beber. 
 
A Samaritana, depois de dialogar com Jesus e descobrir quem lhe pedia água, diz para Ele: "Senhor dá-me de beber". Aprendemos do episódio que Jesus que vai ao encontro do outro, de necessitado passa a ser sinal de sustentação. 
 
Jesus é quem tem água para dar, aliás, Jesus é a fonte de água viva. A Samaritana, depois do encontro  com Jesus, nos ensina como evangelizar, participa com os outros a alegria do encontro. Nos ensina que  todos  nós,  quando  encontramos  Jesus,  nos tornamos  anunciadores  Dele  e  levamos  a  água  que  sacia  a  sede dos que tem sede e o procuram.
 
Atenciosamente
 
Pe. Mario Pizetta

"SAIR DA TERRA E IR PARA A MONTANHA"

 
 ABANDONAR AS SEGURANÇAS E ENGAJAR-SE NO PROJETO DE JESUS.
 
A liturgia da Palavra deste segundo domingo da quaresma nos faz tomar três atitudes:
 
A primeira ela é encontrada na primeira leitura: "Sai da tua terra, da tua família, e vai para a terra que vou mostrar..."(cf. Gn 12, 1).
É o começo da história do Povo de Deus. Abrão, homem de fé, tem que partir. 
Uma nova história precisa ser escrita. Deixar seguranças para trás não é fácil. Abandonar a estagnação, o comodismo é necessário. O novo é conquistado mediante o abandono de alguma coisa. O projeto de Deus se realiza em nós quando avançamos no nosso viver. 
 
A segunda atitude nos convida a subir o monte, isto é, superar dificuldades "sofre comigo pelo evangelho" (cf. 2Tm 1,8).
Todos os dias somos convidados a superar limites, somos desafiados pelas tentações. Tudo podemos vencer com a Graça de Cristo.
 
A terceira é a sensação de alívio que sentimos quando estamos sobre o monte. Neste lugar podemos contemplar o que nossos olhos não estão acostumados a ver. É o momento da revelação plena. A alegria era tanta que chegamos a pensar em construir tendas (cf. Mt 17,1-9). Os discípulos contemplam a plena revelação de Deus.
 
O segundo domingo da quaresma nos mostra que a estrada de conversão é um caminho de abandono, de superação dos nossos pecados. É também um caminho de abandono de nossas seguranças para um engajamento no projeto de Jesus. O caminho da construção do projeto de Jesus nos leva a escutar: "Este é o meu Filho amado, Escutai-o!" (Mt 17,5) e dizer como Pedro: "Senhor, é bom ficarmos aqui, façamos três tendas". A vida plena é alcançada quando saímos das nossas seguranças e subimos à montanha.
 
Pe. Mário Pizetta,ssp

Pároco


JESUS NOS ENSINA A VENCER AS TENTAÇÕES

O quadro deste domingo, o 1º da Quaresma, nos introduz ao caminho da vida que foi a criação, revela a fraqueza Humana e suas consequências. Paulo nos ensina o gesto redentor de Cristo e no evangelho Jesus nos mostra como sermos vencedores diante das tentações. Vejamos: A primeira leitura narra o momento da criação do homem e da mulher. Deus faz surgir o homem da terra, neste, Ele sopra a vida. Dessa forma ele se torna um ser vivente. São colocados no Jardim do Éden, ali gozam de plena felicidade, mas a criatura humana não resistiu ao pedido: "Não comais dele, nem sequer o toqueis, do contrário morrereis"(Gn 3,3). A segunda leitura mostra que o amor de Deus novamente vem ao encontro do homem. A desobediência fez o homem conhecer o pecado e como consequência, a morte.  

Deus não abandonou o homem, pelo contrário, enviou o seu Filho ao mundo, e pela morte na Cruz, pela sua graça salva, redime o homem do pecado e da morte. ( cf. Rm 5,12-19 ou 12.17-19). 
 
No evangelho, Jesus nos mostra como vencer as ideologias do mundo, ou seja, as tentações do poder econômico, religioso, e político afirmando ao demônio: "Não só de pão vive o homem, mas de toda a palavra que saí da boca de Deus" (Mt 4,4), "Não tentarás o Senhor teu Deus"(Mt 4,7), "Vai-te embora satanás, pois está escrito: "Adorarás ao Senhor teu Deus e somente a ele prestarás culto"(Mt 4,10) respectivamente. Concluindo: vivemos num mundo agitado, perturbado, na maioria das vezes sem esperança, mas não podemos ceder ao mal. Com Cristo vencemos as tentações.
 
Voltemo-nos para o Senhor neste tempo favorável, como nos diz Paulo (cf 2Cor 5,20-6,2). UMA SANTA QUARESMA A TODOS.
 
Pe. Mário Pizetta,ssp

Pároco


NINGUÉM PODE SERVIR A DOIS SENHORES

A cada dia que passa estamos envolvidos em preocupações que vão nos absorvendo, e ao mesmo tempo nos sufocando, impedindo-nos de fazer verdadeiros discernimentos. O dinheiro tornou-se o nosso ídolo, nossa razão de viver, diríamos: idolatramos esta moeda de troca. Buscamos cada vez mais lucro, nunca estamos satisfeitos com o que temos. Buscamos sempre mais. Nosso coração volta-se rapidamente para as coisas materiais. Jesus, neste domingo, nos alerta afirmando: "não podemos servir a Deus a ao dinheiro"(Mt 6,24b).

Para nos ajudar compreender isto, Jesus nos pede para observarmos os pássaros do céu: "eles não semeiam, não colhem,  nem ajuntam nos armazéns, no entanto o vosso Pai os sustentam"(Mt 6,26).

Na segunda leitura o apóstolo Paulo nos diz que o essencial é buscarmos a salvação e a libertação (1Cor 5,1-4).

A primeira leitura mostra o grande amor que Deus tem pelos seus filhos: "Mesmo que uma mãe esquecesse de seu filho, Deus não nos esquece jamais"(cf.Is 49,4-5). Jesus neste domingo afirma que o essencial para todo ser humano é: "buscar em primeiro lugar o Reino de Deus e sua justiça e tudo o resto vos será dado por acréscimo" (Mt 6,33).

Pe. Mário Pizetta,ssp

Pároco


 

 

Mensagens Fevereiro 2014

A SANTIDADE PASSA PELO AMOR E O PERDÃO

O sétimo domingo do tempo comum Ano A nos oferece uma tema muito forte: "A santidade passa pelo amor e o perdão".

A primeira leitura nos convida a viver  nosso chamado à santidade: " Sede santos, por que eu, o Senhor sou Santo. Não tenhais no coração ódio" (cf. Lev 19,2.17). É um apelo para criarmos na convivência humana um ambiente onde o ódio e rancor passem o lugar para o amor e o perdão. Jesus no evangelho, depois de ter proclamado as Bem-aventuranças e ter mostrado que o caminho da observância  da lei  ajuda no caminho da santidade, explica que a estrada da perfeição passa pela compreensão do legalismo da lei para o verdadeiro amor: "se alguém te dá tapa, oferece o outro lado do rosto", "se alguém quer tomar a tua túnica, dá-lhe o manto", "se alguém te forçar a caminhar um quilometro, caminhe dois com ele" (cf. Mt 5,38-48). O amor se coloca no lado oposto do ódio, rancor, violência tudo o que é contrário à vida.

A santidade se encontra na acolhida, na misericórdia, na alegria e sobretudo na vivência do amor. Aquele que aspira  ser santo, descobre que  santidade somente se alcança pelo caminho do amor. A segunda leitura mostra que quando o Espírito de Deus habita em nós, temos mais capacidade de discernir as obras deste mundo e as obras de Deus.

Pe. Mário Pizetta,ssp

Pároco

 

SOMOS RESULTADOS DAS NOSSAS OPÇÕES  

A Palavra de Deus  neste domingo nos apresenta um quadro muito interessante: A primeira leitura nos alerta de que a felicidade está relacionada com as opções  que fazemos. Viver é uma atitude constante de escolhas. O livro do Eclesiástico afirma: "Diante de ti, esta o fogo e a água; a vida e a morte, o bem e o mal, para o que  tu podes estender a mão" (Eclo 15,17), mas lembra-te:  "Os olhos do Senhor estão voltados para os que o temem" (cf. Eclo 15,20).

O apóstolo Paulo alerta os habitantes de Corínto para que se deixem guiar pela sabedoria de Deus, pois, "Jamais olhos viram, ouvidos não ouviram, nem coração algum jamais pressentiu" 1Cor 2,9).

No evangelho Jesus adverte que aquele que vive a sabedoria de Deus observa acima da lei, mas é preciso ir além: Não basta dizer: "Não matar" (Mt 5, 21), Não pode mesmo se encolerizar-se com o irmão" (Mt 2,22). Não basta dizer "Não cometer adultério"( Mt 2,27), é preciso algo mais: "não ter um olhar de desejo"(Mt 2,28). Jesus faz nos ensina que a lei é um instrumento pedagógico  e ela vem de fora, Jesus apela para o interior das consciências, ali está a grande novidade.

A grandeza de nossas atitudes vai além da observância.

Pe. Mário Pizetta,ssp

Pároco

CHAMADOS PARA SER SAL E LUZ DO MUNDO


Duas palavras resumem a liturgia deste 5º domingo do tempo comum Ano A: SAL E LUZ. Afirma Jesus: "Vós sois o sal da terra" (Mt 5,13). "Vós sois a luz do mundo" (Mt 5,14). Sal e luz são dois elementos da natureza. O sal interfere diretamente ao paladar, imagine você comer  uma carne sem um pouco de sal. Quanto você se revolta quando o seu médico diz para diminuir o sal de sua comida ou eliminá-lo? Veja também o quanto deixa você nervoso, quando falta energia, você estando na rua ou em casa? Pois bem, como compreender esta afirmação de Jesus? Como podemos ser sal e luz para mundo? Jesus diz isto em primeiro lugar para os discípulos, dizendo que sua presença no mundo é uma presença significativa, não pode ser uma figura sem identidade, sem rosto. Não pode ser alguém que se esconde como à alusão a lâmpada debaixo de uma vasilha, mas sobre o candeeiro onde ela brilha para todos.  Em termos mais concretos Jesus pede aos seus seguidores que sejam construtores e multiplicadores de BOAS OBRAS.  Estas obras são manifestas quando somos comprometidos com a justiça, paz, fraternidade, quando repartimos o pão ao faminto, quando colocamos em comum o que somos. Quando não buscamos construir um mundo apenas para si mesmo. Somos sal e luz enquanto somos parceiros e defensores da vida. A prática das boas obras  ilumina o mundo e torna significativa a vida de cada um. Uma comunidade que não pratica boas obras é como o sal que se tornou insosso e uma luz escondida debaixo da mesa (Mt 5,1-5).

Pe. Mário Pizetta, ssp
Pároco


 

 

Mensagens da semana Janeiro 2014

O POVO VIU UMA GRANDE LUZ

O terceiro domingo do tempo comum Ano A coloca em  evidência a palavra luz: "O povo que andava na escuridão viu uma grande luz"(Is 9,1).

Todos nós sabemos o quanto difícil é viver sem a luz. Vejamos o que acontece quando de repente estamos à noite em casa e acaba a luz: ficamos incomodados. Temos dificuldade para nos locomover, as ruas viram um caos. Um verdadeiro transtorno.

Pois bem, se na realidade de nosso dia-a-dia sentimos todas estas consequências quando não temos luz, no caminho da nossa vida espiritual vemos que Jesus é esta luz, sobretudo quando diz: "Convertei-vos e crede no evangelho, o Reino de Deus está próximo"(Mt 4,17b).

Converter-se é um ato de buscar luz para iluminar nossos caminhos.

A liturgia deste domingo nos sugere que ao acolhermos a pregação de Jesus estamos abrindo as portas à conversão. Cada vez que escutamos a sua palavra e nos esforçamos para vivê-la proclamamos que o Reino está presente. Jesus é luz porque nos liberta das nossas escravidões. Todo ato de libertação  corresponde a superação da escuridão. 

O apóstolo Paulo na segunda leitura da missa deste domingo apresenta um caminho para nunca deixar a luz cair: " Vivam de acordo uns com os outros e não admitais divisões entre vós , pelo contrário, sede bem unidos no pensar e no falar "(1Cor 1,11).

Pe. Mário Pizetta, ssp
Pároco

 

ESCOLHIDOS - CHAMADOS  E ENVIADOS 

O segundo domingo do tempo comum, ano A, mais uma vez nos enriquece refletindo o tema da VOCAÇÃO à luz das leituras.

A primeira leitura vem do profeta Isaias onde nos é afirmado: "Eis o meu servo, em que serei glorificado"(Is 49,3). Apresenta a grande tarefa deste servo: "Eu te farei luz das nações"(Is 49,6b). Cada ser humano que caminha sob a luz de Cristo encontra um caminho seguro. Cada batizado torna-se uma luz para o mundo.

A segunda leitura vem da primeira carta aos Corintios onde Paulo afirma que todos somos chamados para a santidade(cf. 1Cor 1,1-3).

No evangelho, João nos apresenta Jesus: "Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo"(Jo 1,29b).

Jesus é o Servo, é  a Luz do mundo, é o Cordeiro que se coloca a serviço da humanidade. Jesus mostra o seu grande amor de vocacionado do Pai assumindo a atitude de Servo para salvar o homem, e como Cordeiro se oferece a Deus tirando pecado do mundo, tornando-se luz do mundo".

No evangelho deste domingo, João ainda dá testemunho que Jesus não é uma simples criatura: "Eu vi o Espírito descer, como uma bomba, do céu e permanecer sobre ele" (Jo 1,32).

Aquele que se deixa conduzir pela luz de Cristo torna o seu caminho seguro e vive inteiramente a sua vocação.

A luz elimina as trevas.

Pe. Mário Pizetta,ssp

Pároco


EIS O MEU SERVO, ESTE É O MEU FILHO AMADO: BATISMO DE JESUS

 

Neste domingo celebramos o Batismo de Jesus, com esta festividade concluímos o tempo do Natal.

Nas palavras de Isaias: "eis o meu servo, o meu eleito, nele se compraz a minha alma"(cf. Is 42,1s), e nas palavras que vinham do alto, segundo o evangelho deste domingo: "Este é o meu Filho amado, no qual eu pus o meu agrado"(cf. Mc 3,17) identificam para nós o significado do Batismo.

Assim como acontece no universo profissional quando alguém se forma ingressa no mundo do trabalho,

Jesus ao ser batizado por João Batista apresenta-se publicamente para a humanidade e inicia sua missão. O modo simples, como outro ser humano de seu tempo, Jesus chega para João Batista para ser batizado.

O Batismo de Jesus nos lembra o nosso batismo, quando batizados somos convidados a nos engajar na comunidade cristã e dela fazer parte, prosseguindo a missão do mestre.

O papa Francisco no dia 27 de setembro de 2013, celebrando na Casa Santa Marta: " Há uma grande responsabilidade para nós, os batizados: anuncia Cristo, levar  adiante a Igreja, esta maturidade fecunda da Igreja. Ser cristão não fazer um curso para ser advogado, medico cristão, não. Ser cristão  é um presente que nos faz avançar  com a força do Espírito no anúncio de Jesus Cristo".

Meu irmão, minha irmã  vamos nos esforçar para viver o compromisso do Batismo.

Pe. Mário Pizetta, ssp

Pároco

 

Mensagens da semana Dezembro 2013

EIS QUE ENVIO O MEU MENSAGEIRO....."(Mt 11,10)

Estas palavras ressoam em nossos ouvidos neste terceiro domingo do Advento. Elas se referem à João Batista, aquele a quem o Senhor designou para preparar a vinda de Jesus. João, não queria morrer sem antes ter a certeza de que este Jesus que ele tinha ouvido falar era o Messias, por isso que envia os seus discípulos até o Mestre: "És tu aquele que a de vir ou devemos esperar um outro?". Ao que Jesus responde:" Ide contar a João o que estais vendo: os cegos recuperam a vista, os paralíticos andam, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam e os pobres são evangelizados" (Mt 11,3-5).

Esperar Jesus com alegria, abandonando o desânimo, através da criação de um novo ânimo. Acreditar que os olhos dos cegos verão e os coxos andarão, as mãos e joelhos debilitados e enfraquecidos  serão firmados (cf. Is 35,1-6-10).

Tiago, em sua carta, alerta para que todos permaneçam firmes e pede que observem o comportamento do agricultor, que pacientemente acompanha o crescimento do que semeou (cf. Tg 5,7-10).

Estamos vivendo momentos fortes de esperança. Jesus é uma novidade para o mundo, mas não é um produto a ser vendido. Conheceremos o que ele traz se acolhermos o que Ele diz. Jesus acolhe a todos e cura de suas doenças. Existe um clima de expectativa muito grande. Somente as pessoas importantes são recebidas com preparativos. Jesus está entre estas pessoas significativas, aliás, é o mais importante de todos. Abra a porta de tua casa e receberás não apenas alegria, mas muita paz.

 

Pe. Mário Pizetta,ssp
Pároco

 

ELA FOI ESCOLHIDA ENTRE TODAS AS MULHERES

Neste domingo celebramos a festa da Imaculada Conceição, ou seja, Maria, mãe de Jesus, recebe o reconhecimento de que ela foi concebida sem o pecado. A Igreja, assim procede desde  8 de dezembro de 1854. Na aparição em Lourdes, em 1958, Maria declara a vidente Bernardete: “Eu sou a Imaculada Conceição". O evangelho deste domingo destaca a figura de Maria: "Alegra-te cheia de graça, o Senhor  está contigo", mesmo diante de sua perturbação ela escuta: "Não tenhas medo, Maria, porque encontraste graça diante de Deus. Eis que darás à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus, ele será o Filho do Altíssimo, receberá o trono de Davi, ele reinará para sempre e seu reino não terá fim".

Na mente de Maria surgiam muitas dúvidas: "como isto vai acontecer?", o anjo também lhe responde: "O Espírito virá sobre ti e o poder do Altíssimo te cobrirá com sua sombra". Maria estava diante de um acontecimento grandioso para a obra redentora de Deus, algo extraordinário, mas ela não exitou em responder: "Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a sua palavra"(cf. Lc 1,26-38). O sim de Maria é o caminho da presença visível de Deus na história humana. É o sim do compromisso, de uma adesão para ajudar a humanidade buscar Deus. Todos os que acreditam em Jesus e querem vivê-lo, dizem também o seu sim.  Cada cristão que vive a sua fé, a exemplo de Maria, que diz o seu sim a Deus. Juntos com Maria, nos esforcemos para construir uma paróquia que lute para gerar um novo mundo.

 

Pe. Mário Pizetta,ssp
Pároco

 

Mensagens da Semana Novembro 2013

SENHOR, AUMENTAI A NOSSA FÉ!

Neste domingo, 24 de novembro, festa de Cristo Rei, encerraremos o ANO DA FÉ, proposto pelo Papa Bento XVI em 11 de outubro de 2012. Para cultivar e aprofundar este pedido da Igreja, tivemos dois subsídios: a encíclica A Porta da Fé, do próprio Bento XVI, e a carta pastoral Senhor, aumentai a nossa fé, do cardeal Don Odilo. O ano da fé foi uma ocasião muito especial, um tempo favorável para buscar rever os principais pilares da nossa vida cristã, compreendermos que sem esta dimensão, nossa vivência cristã tornar-se-ia muito superficial. Na carta Senhor aumentai a nossa fé, Don Odilo mostra como Jesus toca muitas vezes nesta realidade que dá fundamento ao nosso viver.Vejamos: Diante da pessoa doente, Ele diz: "Filha, a tua fé te salvou"(Lc 8,48); na condução da vida: "Perseveravam na doutrina dos Apóstolos"(cf. At 2,42); questionando os discípulos: "Ainda haverá fé sobre a terra?"(Lc 18,8); Dom Odilo cita, ainda, a experiência vivida por Paulo: "Eu sei em quem acreditei"(2Tm 1,12); escrevendo para Timóteo: "Fica firme naquilo que aprendestes! E sabes de quem o aprendeste "(cf. 2Tm3,14); e, ainda: "acabei a minha carreira, guardei a fé"(2Tm 4,7). 

A fé é um dom de Deus. Façamos tudo para podermos ser agraciados com este dom. Para sermos merecedores desta graça, precisamos viver todos os dias na intimidade com Deus. Deus mora onde está a semente da vida, portanto, se quisermos crescer na fé estejamos sempre onde está a vida.Renovemos todos os dias a nossa profissão de fé, e juntos peçamos: SENHOR, AUMENTAI A NOSSA FÉ (Lc 17,5).

Pe. Mário Pizetta,ssp
Pároco

"NÃO FICARÁ PEDRA SOBRE PEDRA" (Lc 21,6b)

Três afirmações do 33º Domingo do Tempo Comum ano C podem nos assustar:  

a. "Os soberbos e ímpios serão como palha" (Ml 3,19)   

b. "Quem não quer trabalhar, também não deve comer" (2Ts 3,7-12)   

c. "Não ficará pedra sobre pedra", "Quando ouvirdes falar de guerras, e revoluções, não fiqueis apavorados" (Lc 21,6.9)

Um olhar, sem muita análise, sobre o mundo indicaria que os sinais já são evidentes para o fim. No entanto Jesus nos diz que todas estas coisas devem acontecer e ainda não será o fim e esta se torna uma ocasião para testemunhar a fé e alimento de nossa esperança (cf. Lc 21,11ss). Vivemos um tempo de grandes mudanças, seja na natureza bem como nas culturas, alguns falam em "nova época".  Um novo ciclo na história. A época da cultura digital, do culto ao personalismo, a perda do sentido das grandes referências históricas. O tempo do imediato. Tempo das informações rápidas, o tempo do supérfluo, do relativo, das ousadias, das máscaras, das liberdades.  O mundo das antiguidades.

A perspectiva das leituras oferece este quadro, porque estamos concluindo o Ano Litúrgico e em breve estaremos celebrando o Período do Advento que nos conduzirá ao Natal, que é o nascimento. A vida que renasce e se multiplica. Deus não quer a nossa destruição, pelo contrário, Ele vem iluminar os caminhos dos homens para que saiam das trevas.

Pe. Mário Pizetta,ssp
Pároco


A VIDA DEPOIS DA MORTE 

O 32º domingo do tempo comum (Ano C) nos coloca diante de uma  questão intrigante: O que acontecerá depois da morte?

Na 1ª  leitura, do livro de Macabeus, temos o testemunho do jovem que afirma diante da ameaça da morte: "Prefiro ser morto pelos homens, tendo em vista a esperança dada por Deus, que um dia nos ressuscitará" (cf. 2Mc 7,14b).

Jesus, no evangelho,  é questionado pelos saduceus sobre a ressurreição quando lhe apresentam uma citação do livro do Deuteronômio, segundo o qual, uma vez o marido morto, o irmão do morto se case com a esposa para deixar descendentes... (cf. Dt 25,5-6; Lc 20,28ss"). Jesus responde que a vida depois da morte não é igual a esta. Lá, seremos iguais a anjos, filhos de Deus (cf. Lc 20, 36).

Aprendemos, portanto, que "a ressurreição não é uma repetição da vida aqui, mas uma realidade nova, divina, livre das limitações da vida terrena  (cf. Johan Koning, Liturgia Dominical, Vozes). Ressurreição é a plenitude da vida, ou seja, tudo o que existe  de bom em nós, ou seja, afetos, capacidades, consciência, inteligência... elevado à estatura de Cristo, à estatura do "homem perfeito" (Ef 4,13).

A morte nos introduzirá no que João escreve no Apocalipse: "Eu vi a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu"; "esta é a morada de Deus entre os homens"; "Eis que faço novas todas as coisas"(cf.Ap 2ss).

Conquistará esta nova morada aquele que nesta vida tiver amado a Deus e seus irmãos. Nesta morada, que não é física, entenderemos  o que significa vida em abundância...

Pe. Mário Pizetta,ssp
Pároco


 

HOJE A SALVAÇÃO ENTROU NA TUA CASA (Lc 19,9a)
 
A mensagem da semana pode ser retirada do encontro de Jesus com o publicano, narrado no evangelho do 31º domingo do Tempo Comum (cf. Lc 19,1-10).
Jesus entra na cidade de Jericó. Ali vive um cobrador de impostos, Zaqueu, que não tinha boa fama. Enquanto caminha, Jesus vê este homem em cima de uma árvore e sem conhecê-lo avisa que Ele irá a sua casa. Este homem desce depressa e corre para receber Jesus com alegria.
Ao ver isso, a multidão faz mau juízo: "Ele foi hospedar-se na casa de um pecador." Zaqueu confessa seu pecado e assume o compromisso de entregar a metade de sua riqueza e devolver quatro vezes mais a quem defraudou.
A lição que aprendemos: o encontro verdadeiro com Jesus proporciona conversão, mudança de vida. Muitas vezes podemos estar com Jesus, escutando sua Palavra, mas ela não entrar em nós. Escutar a Palavra de Jesus é deixar-se transformar, permitir o abandono de algumas atitudes, buscar o caminho da justiça.
A salvação entra em nossa casa quando o encontro com a mensagem de Jesus gera compaixão, piedade, benevolência e amor.
Deus continua hoje querendo visitar a casa de todos, mas nem todos estão dispostos a recebê-lo.
 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo > Fim >>

Página 10 de 14