Banner
Contador de Visitas
416313


A voz do Pároco - Outubro de 2014

 

MISSÃO: O OLHAR DE JESUS PARA O IRMÃO

 

Não é novidade para ninguém afirmar que estamos vivendo um tempo de grandes transformações na forma de se relacionar com as pessoas. Estamos passando do tempo do encontro pessoal para a época virtual. Com isto, atingimos um número de contatos cada vez maior, mas correndo risco de esvaziamento e de fechamento. Alguns sinais indicam que cresce o número de solitários, de pessoas perturbadas, de pessoas tristes... E, em contrapartida, cresce a busca por remédios.

 

O mês de outubro nos leva a aprofundar e a compreender a dimensão missionária na vida do discípulo de Cristo. Cada batizado, cada pessoa engajada na comunidade descobre que somos todos convidados a viver o mandato de Jesus: "Ide, pois, fazer discípulos entre todas as nações"(Mt 28,19).

 

Missão não é um ato de esperar, mas de ir ao encontro do outro. A missão é voltar-se para o outro. O espírito missionário nasce no Batismo, cresce na vivência da fé e encontra expressão na comunidade cristã. A participação na vida da comunidade nos possibilita encontrar e conhecer melhor a vida do outro, seus problemas e suas esperanças.

 

O encontro com o outro abre as portas para a prática da solidariedade. A fé nos desafia. A missão é sempre uma atitude de solidariedade com o irmão. O grande exemplo de missão vem do Mestre, que ia ao encontro do outro, passava por vilas e povoados... O desejo de ser missionário vem da nossa fé, que nos obriga a sair do isolamento pessoal para ir ao encontro do outro, entrar em comunhão (cf. Dap. n.156).

 

a. Onde começa a missão?
A exortação Apostólica "Alegria do Evangelho", do papa Francisco, nos diz: "O serviço missionário começa aos pés do altar, ganha força com a meditação da Palavra, no diálogo concreto com o Senhor, na contemplação dos desafios que se colocam diante dos olhos, no espaço interior que damos para Deus"(cf. AE n. 262).

 

b. O que fazemos na missão?
Na missão, levamos o que aprendemos aos pés do altar: o amor que recebemos de Jesus, pois quem se sente amado por Deus quer partilhar esta alegria com o outro. Ir em missão é uma atitude de desprendimento de si próprio para ser o rosto misericordioso de Jesus a todos que ainda não descobriram o amor do Pai, portanto, missão é abrir espaço para que o amor do Pai seja descoberto e partilhado com aqueles que estão distantes, os desocupados, como nos diz o evangelho do 25º domingo do tempo comum (cf. Mt 20,1-16).

 

A verdadeira missão inicia dentro da própria comunidade. Sempre é bom perceber: não somos nós a fazer missão, mas é Deus que opera no nosso agir. O discípulo é apenas um instrumento do agir de Deus. Lc "Eis a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a Tua Palavra" ( 1,38). Quanto mais forte é o espírito missionário na vida de uma comunidade maior será a sua ação evangelizadora, pois mais visíveis serão as ações de Jesus.

 

Neste mês de outubro, rezemos por todos aqueles, homens e mulheres apaixonados de Cristo, que renunciam a si mesmos e levam esperança para os desvalidos.

 

 

Pe. Mário Pizetta, ssp
(pároco)